sexta-feira, 26 de julho de 2013

Lembranças na noite fria de Asunción....
A noite gelada de Asuncion (agora são 2:46 da madrugada de domingo e não consigo dormir, pois a saudade me consome) me trás lembranças de minha infância nas noites frias de S. Benedito, qdo eu sonhava acordado esperando ouvir minha mãe batendo na porta, pois havia chegado de Fortaleza eu ia lhe dar um enorme abraço. Lá, naquela época, meu sonho foi frustrado, aqui meu sonho fica mais perto de se concretizar, é mais uma etapa dessa caminhada q abracei em 2012 e q só termina em 2014. O menino danado da rua Eliazar Gomes, arrebentado de saudade da mãe e carente de um pai q o protegesse, hoje é um homem, q mesmo lutando contra os traumas q o pertuba (só Deus sabe quanto), q acredita na vida, no amanhã, na alegria, na boa luta, na paz. Um homem convicto q nada me afastará dos meus objetivos, pois neles pesam a responsabilidade e o amor a minha família (ceissa teles, laíses teles, guga teles, herbert teles, kayky teles e simone). O vento frio de Asuncion bate no meu rosto para lembrar q não devo fracassar, me instiga não a enfrentá-lo, e sim enfrentar o cansaço, a fadiga, a saudade, a insônia. Fala baixinho, quase assobiando: Esquece o passado, enfrenta teus fantasmas, reage, não deixa a fraqueza de vencer, deixa o dia raiar, fala pra ele q estás vivo, q estás pronto para vencer mais um leão. O frio, o menino, o homem, os traumas, os fantasmas, o passado, porém nunca me permitirei ser um farrapo humano!

Prof. Domingos Teles, Asuncion 21 de julho de 2013.

A economia não diz o que um povo é...


Senhores, o Paraguai não é uma republiqueta.

O estereotipo que criamos a respeito do povo paraguaio é muito em função da nossa economia em relação a economia dessa nação. É quase que unânime por parte de nós, brasileiros, a percepção equivocada de que devido uma economia estagnada, o povo vive numa republiqueta, onde impera a ignorância e a ingovernabilidade, ou seja, uma 'terra sem ninguém'. Não, Senhores! Esse povo é alucinado por seu país, é nacionalista, é amante de sua pátria. É um povo que não perde a esperança, que trabalha honestamente e preserva sua cultura. O taxista, a camareira, o gari, para citar alguns exemplos, sabem a sua história, defende sua etnia. O Brasil não pode se comportar como uma nação imperialista em relação aos seus vizinhos 'pobres', não podemos esquecer que na visão dos países ricos, ainda somos a 'república das bananas'.



Minha Saudade ...

Parte inferior do formulário

Minha saudade só não é maior q minha vontade de crescer como educador, pessoa e profissional. Sei dos desafios q tenho que enfrentar até chegar ao meu sonho, sei que tenho o apoio de minha família, dos meus amigos, das pessoas q sabem o quanto me dedico, o quanto amo o que faço. Aqui a saudade só não é maior que a vontade de de crescer para, de alguma forma, ajudar minha comunidade, minha região: o chão que piso e tenho raízes, identificação, paixão. A saudade só não é maior q o desejo q acalento desde criança, que o de me tornar um grande profissional da Educação e usar isso a serviço do bem, a serviço da vida, da paz. A saudade só não é maior que meu amor pela sala de aula, que minha maneira de de dizer a Deus: obrigado Senhor por ter-me colocado nesse solo sagrada do conhecimento. A saudade só não é maior q a minha fé em Deus, esse Ser q já me perdoou tantas vezes e sempre me diz que eu consigo, basta acreditar e lutar. A saudade, ah! Ela é uma companheira q me fortalece e é uma prova que estou vivo e q portanto as possibilidades estão ao meu alcance.

Asuncion, 20 de julho de 2013.
Um homem e a plaza Uruguai...


Um homem caminha na Plaza Uruguaia, por ele passam carros que levam pessoas que ele não conhece, e ele pensa que também desconhece seus limites. Ao seu lado está uma grande cerca de ferro, sólida como o sua convicção, fria como sua indiferença aos q não acreditam no ser chamado homem. Na Plaza Uruguay ele avista grandes árvores, ele pensa mais uma vez: Teu silêncio, tua grandeza, tua imponência me dar a certeza que os corações calados podem triunfar, q grande é aquele q observa e faz poesia ao relento, q não precisa gritar para ser visto, a natureza só grita quando é agredida. Ao longo do seu caminhar, na Plaza Uruguai, ele logo ver uma longa fila de táxi de Asuncion, ele imagina: O táxi simboliza minha viagem ao mundo q sonho, a fila é a estrada que trilho sem medo de fraquejar. Na plaza, ele se depara com uma poça de água q acabara de se formar com a fina chuva q caía na charmosa Asuncion, num reflexo ele pula na poça da plaza q podia ter sido formada pelas lágrimas que caem do seu rosto queimado do frio de 4 gruas do impiedoso inverno paraguaio. Ele olha de relance para a água na calçada da plaza e ver que ela reflete o seu rosto repleto de esperança, um dom quixote moderno que não luta contra moinhos, luta para fazer do seu caminho a estrada que o levará a paz sem temor. Na Plaza uruguaia um homem caminha, sonha pensa, flerta com o futuro, desafia o sereno castigador de um inverno q ele guardará para sempre no seu coração de um 'menino' estudante estrangeiro sonhador na bela asuncion. Ese hombre da Plaza soy yo!

Domingos Teles . Asuncion, 23 de julho de 2013.
O rio que passa...

O rio que passa ao lado da cidade de Asuncion leva a água da vida, a água da energia da Gigante Itaipu. O rio que passa e torna essa Asuncion mais charmosa leva a água política, que deságua no Gigante de ferro e cimento, se torna a água que expulsa, que inunda, que flexa o coração do indígena, que o o torna indigente do homem que constroi o Gigante armado no meio da mata. A água do rio que passa na querida Asuncion, chega a grande área verde e alaga história, sonhos, comunidades, dignidade, respeito a fauna e a flora e sufoca a solidariedade. A água do rio que passa ao lado da exuberante Asuncion, chega ao Gigante sem emoção, o Gigante físico que gera energia, 'progresso' que 'ilumina' o mundo de muitos e escurece o mundo de tantos outros irmãos da natureza, de um povo que clama justiça e respeito a uma Carta chamada Constituição, que para esse povo que perde sua identidade é conhecida como uma Gigante de pés de barros, onde na visão da sensatez essas Gigantes Fábricas de energia são obras que agridem, que maltratam, que tem 'coração' de pedra e 'olhar' que não afaga.

Domingos Teles. Asuncion, 25 de julho de 2013.

domingo, 23 de junho de 2013

A Relação do CPACO com o Meio Ambiente

Não é de hoje que o Colégio Professora Alice do Carmo Oliveira (CPACO) se preocupa em trabalhar o meio ambiente.
Essa preocupação vem desde sua fundação, no ano de 1997.
O pioneiro deste trabalho na escola foi o Professor Domingos Teles, que sempre trabalhou a conscientização ecológica de seus alunos.

Tudo começou com uma pequena horta, que ficava na parte lateral da escola, onde o professor Domingos trabalhava juntamente com seus alunos. Posteriormente, fora implantado o Sítio CPACO, uma área verde próximo a escola, onde são desenvolvidas ações educativas e de cidadania, com a participação de  toda a comunidade escolar, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, além da implantação da disciplina Meio Ambiente, ministrada no 9º ano do Ensino Fundamental, turma responsável de difundir o Projeto em toda Escola.

Hoje o responsável pelos Projetos de Meio Ambiente do CPACO é o Professor Inácio Alcântara, que ministra a disciplina no 9º ano, se responsabiliza pelas ações da tradicional Semana do Meio Ambiente da Escola, e que assumiu recentemente a apresentação do programa de rádio semanal "CPACO e o Debate Ambiental", programa mantido pela Escola, que vai ao ar sempre aos sábados, ao meio dia. na Antena Norte FM de São Benedito.

Toda Comunidade escolar se engaja para que o Sítio CPACO, a Semana do Meio Ambiente e o Programa CPACO e o Debate Ambiental seja realmente ações que visam o conhecimento e a difusão dos assuntos relacionados a Sustentabilidade,, Preservação, Meio Ambiente, etc, sempre levando ao crescimento intelectual e pessoal de nossos alunos.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

PARTITURAS GRATIS PARA BANDA DE MÚSICA

Neste post, você pode encontrar arranjos para banda de música de três maestros da região da Ibiapaba: Jorge Nobre do Sax, maestro da Banda Municipal de Ipu – Ce, Chagas Araújo (Jabíra do Trombone), maestro da Banda Municipal de Guaraciaba do Norte – Ce, e de Rildon B. Sales, maestro da Filarmônica de São Benedito – Ce e da Banda Municipal de Ibiapina – Ce.
CLIQUE AQUI e baixe os seguintes arranjos de Jorge Nobre para Banda de Música:
Coração Velho
The Fever's
Sequencia de Baião 1 (ASA BRANCA, A VOLTA DA ASA BRANCA, SÓ QUERO UM XODÓ)
Esperando na Janela
Além do Arco Íris


CLIQUE AQUI e baixe os seguintes arranjos de Chagas Araújo (Jabíra do Trombone), para Banda de Música:
Esse Cara sou Eu
Eu Quero Apenas



CLIQUE AQUI e baixe os seguintes arranjos de Rildon B. Sales para Banda de Música:
Desfilando com Zé e Alceu 
Feira de Mangaio 
Luzes da Ribalta